Notícias

26
setembro 2016

Dez Momentos épicos do Olympia 2016

O Olympia 2016 já acabou, mas nós separamos 10 momentos Épicos, que refletem toda a emoção dos fãs e resumem tudo o que de mais importante aconteceu nessa edição.

Vejam os destaques dessa cobertura e chequem nossas redes sociais para rever a cobertura com todos os detalhes.

1- Phil Heath leva o sexto Título do Olympia:

1-phil-heath-leva-o-sexto-titulo-do-olympia

Crédito:TeamAndro.com

Sem dúvida, um dos pontos altos do final de semana foi a vitória de Phil Heath no Bodybuilding.
Ao conquistar o sexto título, Phil se coloca entre os maiores bodybuilders de todos os tempos, tendo apenas Arnold Schwarzenegger, Ronnie Coleman e Lee Haney à sua frente.

Apesar de não ter tido uma evolução notável em seu físico, Heath venceu com tranquilidade e não foi ameaçado por ninguém em momento nenhum do show.

2- Mesmo assim a categoria Bodybuilding Open foi eletrizante:

Fazia muito tempo que não víamos uma disputa tão acirrada no Mr Olympia.
Antes do show era impossível fazer qualquer previsão sobre quem terminaria no Top 6. Tínhamos pelo menos 15 atletas com condições reais de chegar lá.

Shawn Rhoden, Big Rami e Dexter Jackson deram um show à parte na disputa pelo segundo, terceiro e quarto lugares. Os árbitros tiveram muito trabalho para decidir quem se sairia melhor nessa batalha.

2-mesmo-assim-a-categoria-bodybuilding-open-foi-eletrizante

Crédito: TeamAndro.com

No final, Shawn Rhoden ficou em segundo lugar, seguido de Dexter e Big Rami – em terceiro e quarto respectivamente.

3- Uma lenda nunca morre:

Definitivamente, o maior destaque do Olympia 2016 foi a volta do Lendário Kevin Levrone aos palcos. Ele faz parte do Hall da Fama da IFBB e teve destaque nos anos 90, quando venceu dois títulos do Arnold Classic e mais de 20 outros títulos como Profissional.

3-uma-lenda-nunca-morre

Crédito: TeamAndro.com

Levrone decidiu voltar em 2016, com 53 anos de idade e após 13 anos sem competir. Ele apresentou um shape inacreditável para alguém nessa situação – com braços e ombros gigantescos.

Por melhor que ele estivesse, a missão de competir contra caras até 30 anos mais que ele não era simples e ele não se classificou para as finais.

Porém, a IFBB o homenageou e permitiu que ele fizesse a sua coreografia durante as finais.
Isso foi um verdadeiro presente para as mais de 10.000 pessoas que lotaram a Orleans Arena. A grande maioria do público nunca havia visto Levrone posando ao vivo.
No final de sua apresentação, ele foi aplaudido de pé por mais de 3 minutos, em um momento que nos arrepia só de lembrar.

4- Flex Lewis conquista o quinto título na categoria 212 libras:

O Galês pesou 211,7 libras (96,0 kgs), ficando a poucos gramas do limite de peso da categoria, que era de 212 libras (96,16 kgs).

Em um dos momentos mais emocionantes do final de semana, Lewis trouxe a sua filha recém-nascida ao palco para cumprir uma promessa e fez um discurso com lágrimas nos olhos.
Um ano antes, ao ser perguntado se voltaria a competir no Olympia, ele disse: “Acabamos de descobrir que minha esposa está grávida. Ano que vem estarei aqui e trarei o bebê no palco para comemorar mais uma vitória.”

4-flex-lewis-conquista-o-quinto-titulo-na-categoria-212-libras

Crédito: TeamAndro.com

E ele cumpriu a promessa. Em um ano onde o nível técnico dos competidores foi um dos mais baixos de toda a história, Flex trouxe um excelente físico e venceu com facilidade.

5- O fim de uma era:

O Olympia 2016 marcou definitivamente o final da sequência de vitórias de Nicole Wilkins no Figure Olympia.

Uma das categorias mais populares nos EUA, a Figure, era dominada por Nicole, que foi desbancada por Latoria Watts pelo segundo ano consecutivo.

5-o-fim-de-uma-era-a

Crédito: TeamAndro.com

A campeã do Bikini, Ashley Kaltwasser, também perdeu seu título.
Courtney King é a nova campeã.
Kaltwasser disse que voltará firme e forte ano que vem!

5-o-fim-de-uma-era-b

Crédito: TeamAndro.com

6- Três vezes Juliana:

A nossa Juliana Malacarne esbanjou talento ao vencer a categoria Women´s Physique pela terceira vez seguida.

6-tres-vezes-juliana

Ver Juliana competindo ao vivo é um show. Ela está em um nível físico, técnico e psicológico acima das outras concorrentes.

A naturalidade com a qual ela posa e caminha pelo palco é incrível. Até algumas de suas transições e poses começaram a ser utilizadas pelas adversárias.

Mais um troféu para ela, que é a maior atleta do Bodybuilding Nacional de todos os tempos.

7- O maior espetáculo da Terra:

7-o-maior-espetaculo-da-terra

Muitos podem argumentar e dizer que temos a Copa do Mundo, o Cirque du Soleil ou qualquer outra coisa. Mas um fato é indiscutível, para nós – amantes do Bodybuilding – o Olympia é o maior Show do planeta.

Em três dias, mais de 50.000 fãs e 400 pessoas da imprensa especializada circularam nos eventos e na Expo.

Las Vegas mais uma vez foi tomada pelos bodybuilders – Aeroporto, restaurantes, supermercados, Hotéis. Não importava para que lado olhássemos, iríamos ver alguém com belo físico.

Las Vegas foi tomada pelo Bodybuilding, supermercados com prateleiras vazias, restaurantes e buffets mudando seus cardápios – para oferecer opções de alimentos saudáveis e proteícos- além de dezenas de milhares de fãs do mundo todo confirmam que o Bodybuilding e a opção de vida saudável são uma realidade e vieram para ficar.

8- Uma nova categoria, uma nova visão:

Finalmente a IFBB trouxe o Bodybuilding Clássico aos quadros Profissionais.
Nessa categoria, os atletas têm limite de peso e altura, o que impede que eles se apresentem excessivamente grandes.
Perdemos o fator do grande volume muscular, mas ganhamos a oportunidade de ver atletas com físicos realmente estéticos e completos.

8-uma-nova-categoria-uma-nova-visao

Crédito: TeamAndro.com

Tivemos uma competição acirrada, com excelentes atletas em uma categoria bem equilibrada.

O Vencedor do Primeiro Olympia Classic Physique foi Danny Hester, de 47 anos.

O Iraniano Arash Rahbar ficou em um honroso segundo lugar e pelo seu físico e sua idade, deve se tornar uma das estrelas da categoria.

9- Men´s Physique empolgante:

Não é a toa que a Men´s Physique se tornou uma das categorias mais populares da IFBB. Quase 40 atletas trouxeram o seu melhor e lutaram pelo título este ano.

9-mens-physique-empolgante

Crédito: TeamAndro.com

Na categoria mais competitiva do Olympia, Jeremy Buendia levou o título mais uma vez – com Ryan terry em segundo.

O público reclamou muito por Jason Poston ter ficado fora do Top 5.

O nosso Diogo Montenegro se apresentou muito bem, mas acabou ficando fora das finais.

10- Posedown Antecipado:

10-posedown-antecipado

O primeiro evento do Fim de semana do Olympia é a Conferência de Imprensa, realizada no início da tarde de Quinta-Feira.

Sempre temos todos os atletas conversando, respondendo perguntas e sendo provocados (de um jeito legal) pelos apresentadores do evento.

Em 2016 tivemos um fato muito raro, alguns atletas tiraram as camisetas e fizeram um mini-posedown, antecipando as emoções que só iriam acontecer na noite seguinte.

Se em 2014 tivemos uma feia discussão entre kai Greene e Phil Heath, com insultos e tudo mais, este ano tivemos algo muito mais emocionante e empolgante!

Fazia mais de 10 anos que isso não acontecia na Press Conference. Kevin Levrone se dirigiu ao centro do Palco, tirou seu agasalho e começou a posar. Em seguida, Cedric McMillan e Josh Lenartowicz se juntaram a ele.

Nem precisamos dizer que o auditório foi ao delírio e aplaudiu de pé esses grandes atletas. Nesse momento, tínhamos certeza de que o final de semana do Olympia seria histórico.

Esses foram os dez momentos Épicos do Olympia 2016 através dos olhos de nossa equipe. Pessoalmente, para nós, foi uma cobertura emocionante e inesquecível.

Passando pela vitória Histórica de Juliana no Sábado a tarde até as finais naquela noite, onde tivemos a volta do Legendário Levrone e Heath se tornando o quarto homem a vencer o Olympia seis vezes.

Talvez essa combinação de fatores não aconteça nunca mais em um Olympia, e nós ficamos muito felizes em poder trazer tudo isso para vocês.

Até a próxima.

Por Miguel Chain, editor do Diário do Culturismo.